Drama familiar, “Pais & Filhas” vale as suas lágrimas

Pais & Filhas (Fathers And Daughters, 2015) de Gabriele Muccino.

Escritor vencedor do Pullitzer, Jake Davis (Russel Crowe) tem de enfrentar várias dificuldades para criar sua filha Katie, de cinco anos. A convivência amorosa de pai e filha é ameaçada por sérios problemas de saúde dele, da instabilidade emocional de sua escrita, o pouco dinheiro que lhe resta, a perda da esposa em um acidente de carro e a tentativa dos tios Elizabeth (Diane Kruger) e William (Bruce Greenwood) em lhe tomar a guarda de sua pequena.

O drama familiar é recortado em dois períodos separados por 20 anos. E essa costura é justificada, pois as emoções de um período são bem refletidas no seguinte. Para complementar o tom dramático, Katie, já adulta (Amanda Seyfried), cuida de crianças com problemas psicológicos, de uma forma em que ainda tenta entender sua complicada infância e ações desmedidas.

Na linha de frente, Russel Crowe (com seus tremeliques) e Amanda Seyfried (com sua sede noturna). Cada um leva suas sequências ao campo seguro do afeto X dor, muito bem acompanhados de Aaron Paul (Uma Longa Queda, 2014) e Jane Fonda (A Juventude, 2015).

No elenco de apoio, o casal de tios, Diane Kruger (Troia, 2004) e Bruce Greenwood (Star Trek, 2009), ficam na média, enquanto Quvenzhané Wallis (indicada ao Oscar por Indomável Sonhadora, 2012) é pura dor silenciosa. Já a vencedora do Oscar, Octavia Spencer (coadjuvante por Histórias Cruzadas, 2011) continua sem saber atuar.

O diretor Gabriele Muccino já demonstrou sua alta capacidade de emocionar com temas dolorosos, vide os lacrimosos À Procura da Felicidade (2006) e Sete Vidas (2008). E aqui não desponta ao entregar mais uma obra com sentimentos que valem as suas lágrimas. Sejam elas comedidas ou aos soluços.