Star_Trek_2009
Star Trek (FOTO: Paramount/divulgação)

Star Trek (Idem, 2009) de J.J. Abrams

O filme: na velocidade da dobra espacial, assistimos um prólogo ofegante! Acompanhamos o nascimento de Kirk no meio de num confronto espacial (e desigual), numa luta desesperada pela sobrevivência. E quando a trilha sonora toma conta da tela, é impossível não se emocionar com a bravura de um jovem capitão (Chris Hemsworth).

Como é prazeroso descobrir novidades em personagens que já conhecemos. Acompanhamos os primeiros anos do futuro capitão Kirk (Chris Pine), doutor Spock (Zachary Quinto) e cia, incluindo a inauguração da USS Enterprise, que de cara já encara o desafio de deter os planos de Nero (Eric Bana), um romulano rebelde sedento por vingança.

Porque assistir: se no espaço ninguém pode ouvir nada, até o silêncio funciona aqui, pontuando um momento de pura dramaticidade e tensão. Os efeitos são maravilhosos, a ação é seguida pela trama e os cenários dialogam com a história, sem se sobrepor a ela. Sua grande qualidade é de ser um belo entretenimento, sem concessões.

Acompanhamos o passado que nunca vimos (e talvez não tenha existido antes), que se transformará num novo futuro. Cortesia de uma ótima sacada do roteiro, que faz até o Spock original (Leonard Nimoy), e obviamente velho, aparecer. Tudo é muito ágil, divertido, mas sem ofender a inteligência de ninguém.

Melhores momentos: percebemos os ótimos contrapontos de personalidades entre Kirk e Spock, seus dilemas pessoais e morais.

E quando o jovem Kirk avista pela primeira vez a USS Enterprise, tudo que ele consegue falar é Uau!… Bem isso eu senti desde o primeiro momento do longa. Uau mesmo! Sem esquecer os excepcionais movimentos de câmera (que domínio) e a utilização de luzes estouradas (ou os flares, marca registrada de Abrams).

Pontos fracos: só para constar uma apagada e envelhecida Winona Ryder faz a mãe de Spock.

Na prateleira da sua casa: a responsabilidade era grande. Série de TV, dez filmes no cinema, séries de TV derivativas e até desenho animado. Mas J.J. Abrams arrebentou!

A obra é uma delícia de assistir (e desvendar). E antes que você pense que está perdido no espaço e que nunca viu nada de nada, aqui vai um aviso especial: não se preocupe, aqui é o começo de tudo. Ano zero! Pronto, agora pode ir tratando de se interessar, pois o filme é bom!

Agrada tanto os fãs originais (que devem estar felizes), quanto conquista novos seguidores. Então, sejam bem-vindos (novos e antigos) trekkers, e vida longa e próspera a Star Trek.

Termo vetor - segunda versão - DEITADA - 9