Porque o público cansou dos filmes de ação estrelados por Liam Neeson

busca-implacavel-taken
Busca Implacável: Liam Neeson em ação (Foto: Fox)

Ator respeitado, Liam Neeson já foi indicado ao Oscar de melhor ator por A Lista de Schindler (1993) e ao Globo de Ouro por Michael Collins: O Preço da Liberdade (1996) e Kinsey: Vamos Falar de Sexo (2006). Mas o irlandês chegou ao topo das bilheterias aos 56 anos, como um pai com sede de vingança em Busca Implacável (Taken, 2008).

Mas o sucesso foi uma surpresa quem nem mesmo o estúdio apostava tanto. Produzido em 2008, estreou primeiro na França, onde se passa parte de sua trama, em fevereiro. Na programação da Fox, a data de estreia nos EUA foi agendada somente para janeiro de 2009, depois até mesmo que o Brasil (03/10/2008).[tribuna-veja-tambem id=”7263″ align=”alignright”]

Para um filme que custou apenas U$ 25 milhões, baixíssimo para padrões americanos, nas bilheterias ao redor do mundo, o papoco foi grande: mais de U$ 81 milhões. Nos EUA o tranco foi ainda maior. Só para se ter uma ideia, apenas nos final de semana de estreia nos cinemas americanos, a fita recuperou sua produção, com U$ 24,7 milhões arrecadados. Ao final da temporada, arrecadou U$ 145 milhões nos EUA e um total mundial de U$ 226,8 milhões.

Pois é, Liam Neeson virou astro de ação com quase 60 anos. Ok, ele já havia sido mestre Jedi (Star Wars – Episódio I, 1999), mentor de Batman (Batman Begins, 2005) e a voz do Leão Aislan (nos filmes As Crônicas de Nárnia, 2005/08/10), mas como protagonista de um hit e parte primordial da ação, havia sido a primeira vez.

Além de participar das superproduções Fúria de Titãs 1 e 2 (2010; 2012), o policial 72 Horas (2010) e a adaptação do jogo Battleship: A Batalha dos Mares (2012), desde o primeiro Busca Implacável, Lian Neeson protagonizou nada menos que oito filmes de ação.

Mas a sua irregularidade nas bilheterias mostram que o público está cansando da mesma fórmula de “ex-agente em busca de vingança”. Afora suas sucessivas estreias, deixando as coisas ainda mais repetitivas. A própria queda das continuações de Busca Implacável mostram isso. O segundo atingiu um total de U$ 376,1 milhões, enquanto o terceiro bateu em U$ 291,9 milhões ao redor do mundo. E os três filmes do agente Bryan Mills são os pontos altos de arrecadação de sua filmografia recente.

“Talvez mais dois anos, se Deus me poupar e eu estiver saudável. Depois disso, acho que vou parar com a ação” (Liam Neeson)

O próprio ator já assumiu que deve parar com os filmes de ação ao afirmar que “talvez mais dois anos, se Deus me poupar e eu estiver saudável. Depois disso, acho que vou parar com a ação”. O que leva a crer que o irlandês deve cumprir apenas as produções que já estão engatilhados, e depois disso, o heróis de ação se dedicará à outras coisas.

Seu último filme de ação, Noite Sem Fim (Run All Night, 2015), arrecadou meros U$ 20,4 milhões e tem sua estreia no Brasil marcada para o próximo dia 30 de abril.

Acompanhe a foto-galeria com a relação de filmes e bilheteria de Liam Neeson:

Leia as críticas completas de:
> Busca Implacável (Taken, 2008)
> Desconhecido (Unknow, 2011)
> Busca Implacável 2 (Taken 2, 2012)