“O Contador” diverte pela história absurda, herói improvável e ação eficiente

O Contador (The Accountant, 2016) de Gavin O’Connor

Por trás do que seria um simples e humilde contador de uma cidadezinha interiorana, está uma mente brilhante com um dom singular para a matemática.

Diagnosticado com um tipo raro de autismo, Christian Wolff (Ben Affleck) vive duas vidas: uma de um simples contador doméstico, outra de um dos mais procurados contadores do planeta, famoso por trabalhar para as mais perigosas organizações criminosas. Quando Wolff é contratado para descobrir uma fraude financeira na maior empresa de robóticas dos Estados Unidos, ele acaba se tornando o principal alvo em meio a uma implacável queima de arquivo.

O elenco é composto pelos vencedores do Oscar Ben Aflleck (Argo – melhor filme) e J.K. Simmons (Whiplash – melhor ator coadjuvante); a indicada ao Oscar, Anna Kendrick (atriz coadjuvante por Amor Sem Escalas), e o duas vezes nomeado ao Oscar, John Lithgow, além do astro de ação Jon Berntal (o Justiceiro da série de TV Demolidor/Netflix).

A direção é de Gavin O’Connor, o mesmo de Em Busca de Justiça (2015), Guerreiro (2011), Força Policial (2008), Desafio no Gelo (2004) e Livre para Amar (1999). O longa é roteirizado por Bill Dubuque (O Juiz, 2014) e produzido pela dupla Lynette Howell Taylor e Mark Williams.

Lançamento em home vídeo

As versões Home Entertainment ainda chegam mais completas que a versão vista nos cinemas, repleta de extras como Ciência Comportamental, dando uma maior ênfase nos distúrbios vividos pelo protagonista, O Contador em Ação, detalhando a matemática por trás da ação soberba vista no filme (ambas apenas na versão BD), enquanto Na Mente do Homem, um minidocumentário que observa a fundo o icônico contador, pode ser visto também em DVD.

O Contador já está disponível nas melhoras lojas em DVD (R$39,00), Blu-ray (R$ 69,00), e também em DIGITAL HD, em plataformas como Google Play, iTunes, NOW, Oi TV, Xbox Live e PlayStation Network.

Opinião do editor:

Um conto de vingança dos desprezados pela sociedade. Ou, como um gênio (autista) contador se torna um justiceiro apaixonado por arte. Divertido do início ao fim, seja pela história absurda, pelo herói improvável ou ação eficiente.