Novo “João e Maria” os transformam em “Caçadores de Bruxas”

João e Maria: Caçadores de Bruxas (FOTO: Paramount)

João e Maria – Caçadores de Bruxas (Hansel e Gretel – Witch Hunters, 2013) de Tommy Wirkola

O filme: João e Maria foram crianças que se perderam na floresta e entraram numa casa feita de doces. Escaparam da bruxa que queria devorá-los e após muitos anos se tornaram caçadores de bruxas.

Uma nova versão baseado no conto de fadas dos Irmãos Grimm, que projeta o futuro dos irmãos, João e Maria. Com a inserção de novas tramas envolvendo um clã de bruxas em busca do poder da eternidade que está ligado a um segredo do passado dos irmãos.

Porque assistir: pelo fato curioso de ver a transformação de um conto de fadas (como ponto de partida nostálgico) numa bizarrice de violência assumidamente exagerada.

Ah, e os caçadores de bruxas usam armas modernas adaptadas para a época.

Melhores momentos: uma ajuda inesperada de um ogro/orc para com os heróis e a sacada de fazer de João (Jeremy Renner), um diabético e dependente de insulina. E a durona Gemma Aterton é linda demais.

Pontos fracos: sempre com frases de efeitos, as piadinhas se acumulam durante a projeção. Sangue demais e história de menos. A participação de Famke Janssen – como a bruxa mor vilã, é bizarra.

Na prateleira da sua casa: diversãozinha sem vergonha que explora o uso do efeito 3D da maneira mais primária possível, ao arremessar coisas no espectador.