Há 10 anos estreava o vencedor do Oscar, “Crash – No Limite”

Crash-No-Limite
Crash – No Limite (Foto: Imagem Filmes)

“Em Los Angeles ninguém te toca. Estamos sempre atrás do metal e do vidro. Acho que sentimos tanta falta desse toque, que batemos uns nos outros só para sentir alguma coisa.” (detetive Graham Waters/Don Cheadlle, em Crash – No Limite)

Isolamento, medo, racismo, intolerância, diferenças sociais, preconceito… Crash – No Limite (Crash, 2005), o vencedor surpresa do Oscar 2006, esfrega na cara da sociedade problemas que convivemos durante o dia a dia, mas por muitas vezes, é mais fácil acreditar que não existem.

E Los Angeles é um exemplo para outras cidades do mundo, cheias de vidro, plástico e ferro separando as pessoas. São as portas com as chaves erradas, os grandes carros, os muros altos e a proteção do mundo exterior. E a trama do drama, é um mosaico de histórias que demonstram que só se admite os problemas, quando nos esbarramos com ele. É o tal crash, a batida do título.

Apesar da premiere no Festival de Toronto, em Setembro de 2004, frente à calorosa recepção dos críticos e público, foi pinçado para o ano seguinte. Sua estreia nacional nos EUA ocorreu em 6 de maio de 2005, o tornando apto à concorrer ao Oscar do ano seguinte. No Brasil, estreou em 28 de setembro de 2005. Antes da fita, seu diretor e roteirista – Paul  Haggis – era conhecido apenas pelo roteiro de Menina de Ouro (2004).

Fora da lista do Globo de Ouro, a fita surpreendeu e obteve seis indicações ao Oscar: melhor filme, diretor (Paul Haggis), ator coadjuvante (Matt Dillon), roteiro original, montagem e canção original (“In The Deep”). A surpresa maior ficou para o fim da noite: venceu as estatuetas de melhor filme, roteiro original e montagem.

Produzido por apenas U$ 6,5 milhões de dólares, o drama conta no elenco com nomes como Sandra Bullock, Brendan Fraser, Ryan Phillippe, Don Cheadlle, Matt Dillon, Thandie Newton e Terrence Howard. Rendeu cerca pouco mais de U$ 98.4 milhões ao redor do mundo. Rendeu uma série de TV homônima em 2008 que conta outras histórias com o mesmo cunho de tensão racial, violência e reação em cadeia, mas sem tanto sucesso.

Ainda é um filme forte, e com uma mensagem atual, principalmente do medo do que acontece do lado de fora do seu muro, e que só piora a cada ano. Agora vamos relembrar em imagens, os 10 anos da estreia de Crash – No Limite: