Dramédia romântica baseada em duas histórias reais, “Julie e Julia” é um delícia

Julie & Julia (Idem, 2009) de Nora Ephron

O filme: baseado em duas histórias reais, a dramédia romanceada se passa em épocas distintas, mas com similaridades projetadas num roteiro simpático.

Paul Child (Stanley Tucci) é um diplomata que se muda para a França em 1948, e que demonstra constantemente o quanto é apaixonado por sua esposa Julia (Meryl Streep). Em solo francês, encoraja-a estudar na histórica escola de culinária Le Cordon Bleu.

Já na Nova York de 2002 se desenvolve a história de Julie (Amy Adams) – escritora frustrada e Eric Powell (Chris Messina), que a incentiva a escrever um Blog sobre o prazer de cozinhar. Assim ela decide fazer as 524 receitas do livro de Julia Child num prazo de um ano.

Porque assistir: doce feito doce, que chega até a escorrer pela panela/tela, é mais uma prova do carisma inabalável de Meryl Streep, reafirma a doçura (nossa quanto doce!) de Amy Adams, e é capaz de divertir não apenas a ala feminina, mas também os machos de plantão.

Melhores momentos: Ephron unta suas cenas com bastante manteiga e como resultado uma colagem de situações mais divertidas (cortando cebola, entre outras) que emocionantes.

Destaque para as lindíssimas declarações de amor de Stanley Tucci à Streep, e da porção bruxa malvada da diretora da escola de culinária. O embate entre ela e Streep é ótimo.

Pontos fracos: a situação das amigas-ricas-que-comem-salada é muito artificial. Senti falta da resolução entre Julie Powel e Julia Child… Fica algo tão mal resolvido, onde a posição de Julia não é claramente demonstrada, mas apenas a palavra de um jornalista em busca de uma declaração de Julie. Não estraga a obra divertida, mas poderia ter uma definição melhor nesse sentido.

Na prateleira da sua casa: quando estamos numa padaria, diante de uma gôndola de doces, numa Patisserie cercado por guloseimas de todos os lados ou numa simples banca de docinhos, é impossível não cair na tentação. E é exatamente o sentimento que tive ao assistir/provar a obra da doceira/diretora/roteirista Nora Ephron.

Enchanté! Bon appetit!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *