Comédia “2 Dias em Paris” é verborrágica e inteligente de forma natural

2 Dias em Paris (2 Days in Paris, 2007) de Julie Delpy

O filme: durante dois dias testemunhamos na tela grande um casal (Julie Delpy e Adam Goldberg) que poderia ser qualquer um que conhecemos. Sem maquiagens, trucagens ou efeitos especiais. Eles estão de passagem por Paris, a terra natal dela, e uma série de situações comuns ao cotidiano de qualquer casal serão desenroladas.

Porque assistir: projeto da atriz Julie Delpy, é sua estréia ficcional em longas como diretora, onde multifuncionalmente fez também a edição, colaborou com a música e escreveu o roteiro.

Seu parceiro de cena Adam Goldberg, que costuma ser desafogo cômico constante em outros filmes, consegue equilibrar bem os momentos de risos com alguma graciosidade, onde no fundo se deixa notar que pode existir sim, o homem verdadeiramente apaixonado.

Melhores momentos: as provações do amor faz com que o casal passe por incríveis momentos nas sequências do longa. Como não entender os diálogos em conversas comuns ou ter de aguentar sogro e sogra, ambos sem-noção, e até mesmo ex-namorados da amada com suas histórias peculiares, que incluem fotos com balões e outras coisas.

Pontos Fracos: o filme tem diálogos o tempo inteiro, portanto não é recomendado aos espectadores que não suportam uma comédia verborrágica.

Na prateleira da sua casa: reflete com dignidade o dia-a-dia de um casal, em que perguntas, casos, acasos, dúvidas, amor, ciúmes, brigas, palavrões, conversas tortas, situações limite, sexo, diversão e decisões são as coisas mais críveis que possamos vivenciar.

Indicado ao César (o Oscar francês) de roteiro original, o filme é deliciosamente verborrágico e inteligentemente natural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *