Cearense recebe incentivo federal para desenvolver comédia romântica dentro da linha Paranjana

/home/tribu/public html/wp content/uploads/sites/5/2015/09/paranjana para mulheres
“Paranjana para Mulheres” é uma comédia romântica de George Frota (Fotos: Fortal Bus/Reprodução Facebook)

Já imaginou uma história de amor nascendo dentro de um ônibus lotado? Esse é o ponto de partida do projeto “Paranjana para Mulheres”, um roteiro do cearense George Frota que foi um dos contemplados com um incentivo financeiro da Agência Nacional de Cinema (Ancine).

“É uma comédia romântica que se passa em Fortaleza, onde o final de uma linha ônibus costura e modifica a vida dos personagens. Vejo o projeto como uma declaração de amor a cidade em que nasci e que moro. Nosso roteiro será diferente, longe do turístico da Beira-Mar e afins. Nossas locações serão lugares afetivos, bairros tradicionais e pontos que marcaram uma geração”, explica o autor.

O projeto nasceu de uma oficina de Narrativa Cinematográfica, com Orlando Senna, promovido em 2013 pelo Porto Iracema das Artes, e evoluiu para uma proposta de roteiro. Já no laboratório de roteiro do mesmo Porto, coordenado pelos cineastas Karim Ainouz, Marcelo Gomes e Sérgio Machado, o projeto foi finalista, mas perdeu a chance de virar produção.

“Vamos trabalhar com um gênero que não é muito desenvolvido no Brasil, com peculiaridades locais, mas de apelo universal. É a clássica jornada do herói, dentro de um ônibus da saudosa linha do Paranjana, que cruza Fortaleza atrás do seu amor. É uma recriação livre, uma fábula moderna”, vibra o roteirista.

Dentre as figuras de sua fábula moderna, George cita o motorista de ônibus e suas músicas de amor/brega, o cara do churrasquinho da esquina que sempre puxa papo, a moça do ônibus, o menino malino, além disso a própria linha de ônibus se torna um personagem, traduzindo o cotidiano cearense na linguagem audiovisual. Importante lembrar que as linhas Paranjana 1 e 2 foram criadas em 1994 e deixaram de circular em 2011, e se notabilizaram por circular a cidade quase que inteira em sua rota.

Através da Oobar Content Produções, a futura produção receberá um investimento de R$ 84 mil, que funciona como uma linha de desenvolvimento do longa-metragem, que tem de ter seu projeto apresentado em até 18 meses.

Brasil de Todas as Telas

Ao todo, foram 666 projetos inscritos de todo o Brasil para receber o incentivo financeiro da Ancine. Somente 89 propostas foram contempladas, totalizando R$ 9,9 milhões em recursos a serem desembolsados pelo governo federal.

A partir da aprovação, o projeto tem até 18 meses para desenvolver seu projeto até um produto final em forma de roteiro a ser filmado, um planejamento de direção de arte, direção de fotografia, produção executiva e um plano de negócios. É uma “linha de desenvolvimento” que profissionaliza a gestação de um projeto cinematográfico pela Ancine.

Em “Paranjana para Mulheres”, George escreverá o roteiro final com a supervisão de um consultor de script, para passar para a 2ª etapa de avaliação do produto. Depois de finalizado o planejamento inclui ainda a possibilidade de venda de patrocínios, aplicação de Lei Rouanet, e pleitear a produção em si com incentivos fiscais e a liberação de captação, através do Ministério da Cultura.

A ajuda é bem vinda, e alegra o roteirista cearense. “Tudo isso é um suporte para o artista e faz com que a Ancine enxergue o cinema como um produto que gera emprego, renda, divulgue a cultura e no fim se transforme em um valor agregado alto, além do poder comercial”.

+ 5 projetos cearenses

Além de “Paranjana para Mulheres”, foram contemplados também com a chamada “Prodav”, um incentivo financeiro acompanhado pela Ancine para o desenvolvimento de projetos audiovisuais, outros cinco projetos cearenses. Entre os longas-metragens de ficção entraram “Fuga em Ré Menor”, da Alumbramento Produções (R$ 100 mil), e “O Brinquedo de Meu Pai”, de Iziane Filgueiras Mascarenhas (R$ 100 mil). As séries de ficção “Não Foge, Nem Senta em Cima”, da Corte Seco Filmes (R$ 131 mil), e “Antes da Poeira Baixar”, de Iziane Filgueiras Mascarenhas (R$ 100 mil). “Lusitanos – Histórias de Nossa Alma Portuguesa”, da Anitra Produção de Filmes (R$ 70 mil), foi contemplada como uma série documental.

Também do Ceará foi eleito um dos núcleos criativos de 2015. A Tardo Filmes (CE), que tem como líder Guto Parente, foi a empresa produtora que vai receber um investimento de R$ 917 mil da Ancine. “O núcleo criativo da Tardo é essencial para profissionais do cinema no Ceará, pois estão previstos cinco projetos a serem desenvolvidos sem o imediatismo, onde haverá um processo criativo para se desenvolver os roteiros”, complementa George.

'