Blu-ray: trilogia “Jurassic Park” em Edição de Colecionador

Trilogia Jurassic Park em Edição de Colecionador
Trilogia Jurassic Park em Edição de Colecionador (FOTO: Universal/Paramount)

Jurassic Park – Parque dos Dinossauros (Jurassic Park, 1993) de Steven Spielberg

O Mundo Perdido – Jurassic Park (The Lost World: Jurassic Park, 1997) de Steven Spielberg

Jurassic Park III (Jurassic Park III, 2001) de Joe Johnston

Os filmes:
1. Um casal de paleontólogos (Sam Neill e Laura Dern) e um pesquisador (Jeff Goldblum) são convidados pelo bilionário John Hammond (Richard Attenborough) para ir até a ‘Isla Nublar’, uma ilha na Costa Rica, onde uma equipe de geneticistas de sua empresa criam um parque temático onde habitam dinossauros clonados. Mas, ao brincar de Deus, as coisas não sem como esperado.

2. Na Isla Sorna, que funciona como uma ilha auxiliar ou um “sítio B” para a principal (‘Isla Nublar’, do primeiro filme), os dinossauros se desenvolveram e vivem livres, em estado selvagem. O dr. Ian Malcolm (Jeff Goldblum) vai à ilha para resgatar sua namorada (Julianne Moore), que foi para lá sem o seu conhecimento, com o intuito de documentar os dinossauros em seu habitat natural. Em paralelo, uma equipe da InGen, empresa responsável pelo local, tenta capturá-los, para levá-los ao continente e a reaver o investimento.

3. O paleontólogo Alan Grant (Sam Neill) é convidado por um casal (William H. Macy e Tea Leoni) para sobrevoar a Isla Sorna, numa espécie de turismo educativo, em troca de financiamento para suas escavações. Depois de o avião cair na ilha, a verdadeira intenção é revelada, enquanto os sobreviventes tentam escapar de seus perseguidores: um Espinossauro, um T-Rex e vários Velociraptores, evoluídos e ainda mais inteligentes.

 

Trilogia Jurassic Park
Trilogia Jurassic Park (Arte: Tiago Leite)

 

Porque assistir:
1. Steven Spielberg dirige uma obra-prima que vai além da diversão. Baseado num livro de Michael Crichton, o primeiro filme tornou-se um neoclássico da história do cinema. A junção de forças da Industrial Light & Magic em criar os efeitos especiais em CGI deram vida aos dinossauros como se for a verdade, mas que só se tornou um marco dos efeitos especiais aos ser mesclado com os bonecos animatrônicos de Stan Wiston. E que trilha sonora inesquecível de John Williams;

2. Com base num novo livro de Michael Crichton, escrito especialmente para ser adaptado ao cinema, Spielberg voltou a cadeira de direção com um film muito mais sombrio e não tão mágico. Mas tenso e com efeitos especiais ainda mais espetaculares. Para fazer a ponte com o primeiro filme, retorna o personagem de Jeff Goldblum, e adição de talentos como Julianne Moore, Pete Postlethwaite, Vince Vaughn e Pete Stomare;

3. Joe Johnston, pupilo de Spielberg, assume o posto na direção do terceiro filme da trilogia. Em seu currículo filmes como Querida, Encolhi as Crianças (1988); Rocketeer (1991); Jumanji (1995); O Céu de Outubro (1999); O Lobisomem (2004) e Capitão América: O Primeiro Vingador (2011). Um filme ágil e de clima matinesco, que não compromete a trilogia que se tornou parte da história do cinema. E os efeitos especiais continuam cada vez mais maravilhosos.

Melhores momentos:
1. A primeira visão dos dinossauros em campo aberto – um momento mágico; a entrada a bordo de um carro automático no portal de Jurassic Park; o ataque do T-Rex ao carro; Durante um passeio um Tricerátops é atendido pelo casal de paleontólogos; A fuga dos Velociraptores na cozinha; A revelação venenosa do Dilofossauro; a sequência na cerca elétrica; um confronto dentro de um museu, onde, entre os ossos de dinossauros, se confrontam Velociraptores e o T-Rex; O dr. DNA e a explicação de como se recriam os dinossauros;

2. O ataque dos pequenos dinossauros compsógnatos; a cena dentro do trailer que termina num despenhadeiro; todas as sequências em que o caçador Roland Tembo (Pete Postlethwaite) aparece; a fuga de Julianne Mooore e o confronto com os Velociraptores; o ataque do T-Rex em San Diego;

3. o acidente de avião seguido de um ataque em terra; a fuga dos Velociraptores; a luta mortal entre o Espinossauro e um jovem T-Rex; um confronto dentro d´agua com o Espinossauro; o ataque dentro das gaiolas dos Pteranodontes e seus voos para fora da ilha nas nuvens.

Pontos Fracos:
1. Não há, uma obra-prima além da diversão;

2. Em alguns momentos temos uma versão mais sombria e repetida do primeiro Jurassic Park, até com algumas situações semelhantes. Filme eficiente, mas longe de repetir o primeirão, de clima meio morno no meio da trama (requentada);

3. De suspense crescente, funciona bem como uma sessão da tarde, e se posta como um bom filme, mesmo sem empolgar. A historinha da família separada que se une para resgatar o filho é um mote razoável.

Na prateleira da sua casa: são mais de 7 horas e meia de extras sensacionais que contam minunciosamente tudo da produção. Tudo desnudado e esmiuçado no Especial ‘De Volta a Jurassic Park’, dividido em seis partes, sendo três no primeiro disco, duas no segundo e uma no terceiro. 

Você saberá de tudo. Dos livros por trás dos filmes; a guerra inicial dos animatronics/animatrônicos X o efeitos especial em CGI, que depois se tornou uma força conjunta – que elevou o primeiro Jurassic Park a revolucionário; curiosidades sobre as filmagens; especiais de bastidores; entrevistas com o elenco, diretor, produtores, especialistas em cenografia, efeitos especiais e sonoros, uma conversa com John Williams (autor da trilha sonora); e até pistas de Spielberg sobre os ganchos já existentes nos filmes anteriores para novos filmes de Jurassic Park.

Cheque a lista de extras em cada disco:

Há também cenas excluídas, documentários da época e atuais, artes conceituais, e muito, muito mais. Para os fãs do cinema, um deleite, para quem gosta do filme, um mergulho na história com muitas surpresas. Uma trilogia obrigatória, que marcou o cinema não apenas com seus efeitos especiais visionários, mas também uma história atemporal sobre a natureza animal e do criador X criatura.

O primeiro Jurassic Park venceu três Oscar (efeitos especiais, efeitos de som e edição de som) e o segundo concorreu ao Oscar de efeitos visuais. Ambos dirigidos por Steven Spielberg. Juntos, os três filmes renderam pouco mais de U$ 2,01 bilhões nas bilheterias de todo o mundo. E vem mais em 2015: Jurassic World.

Jurassic Park – Parque dos Dinossauros (Jurassic Park, 1993)

Termo vetor - segunda versão - DEITADA - 10

O Mundo Perdido – Jurassic Park (The Lost World: Jurassic Park, 1997)

Termo vetor - segunda versão - DEITADA - 8

Jurassic Park III (Jurassic Park III, 2001)

Termo vetor - segunda versão - DEITADA - 7