Aventura medieval, “O Sétimo Filho” aposta em efeitos visuais e ação

O Sétimo Filho (Seventh Son, 2014) de Sergei Bodrov

O filme: John Gregory (Jeff Bridges) é o sétimo filho do sétimo filho e mantém uma cidade do século XVIII relativamente bem e longe dos maus espíritos. No entanto, ele não é mais jovem e suas tentativas de treinar um sucessor foram todas mal sucedidas.

Sua última esperança é um menino chamado Thomas Ward (Ben Barnes), filho de um jovem fazendeiro. Seu primeiro desafio será grande: Ele terá que enfrentar a Mãe Malkin (Julianne Moore), uma terrível e poderosa bruxa, que escapou do seu confinamento quando o grande mestre Gregory estava afastado da cidade.

Porque assistir: dois vencedores do Oscar puxam o elenco. Julianne Moore, venceu a estatueta de melhor atriz por Para Sempre Alice (2014), é a bruxa vingativa com algum sexy appeal.

E Jeff Bridges, Oscar de melhor ator por Coração Louco (2009), faz pela enésima vez o velho grosso beberrão que se garante na mão e resolve a parada.

Completando a linha de frente, o jovem Ben Barnes, que já teve outras experiências com a aventura medieval. Já foi Príncipe Caspian do segundo e terceiro filme das Crônicas de Nárnia (2008/2010), e protagonizou Stardust – O Segredo da Estrela (2007).

Entre os demais do elenco, há participações de Djimon Housou (indicado ao Oscar de coadjuvante por Diamante de Sangue, 2006), como um monstro/caçador de recompensas; Olivia Williams (O Sexto Sentido, 1999) como a mãe do tal sétimo filho; Alicia Vikander (O Agente da UNCLE, 2015) como a apaixonada Alice; o sumido Jason Scott Lee (protagonista de Dragão: A História de Bruce Lee, 1993), na pele de Urag; e Kit Harington (de Game of Thrones) como o primeiro aprendiz do mestre Jeff Bridges.

Melhores momentos: a sequência que abre com a morte do primeiro aprendiz; as sequências de ação são exageradas, mas eficientes; em um dos flahsbacks, podemos ver a história de amor entre Jeff Bridges e a bruxa, Julianne Moore.

Do diretor russo Sergei Bodrov, que assina os épicos russos premiados Nômades (2005) – indicado ao Globo de Ouro de filme estrangeiro –, O Guerreiro Genghis Khan (2007), indicado ao Oscar de filme estrangeiro e O Prisioneiro das Montanhas (1996), também nomeado à estatueta de filme de língua não inglesa.

Pontos fracos: é uma matiné picotada e personagens sem coesão final. Existem muitas histórias de muitos personagens diferentes. Em alguns momentos da trama, a principal delas – do tal sétimo filho com o seu destino – fica até perdida entre as demais. E tome flashback, e justificativas.

Na prateleira da sua casa: bruxas, almas-penadas, relação mestre-aprendiz, dragões, amores seculares e impossíveis, vingança, exorcismo, ogros, monstros, gigantes, bons efeitos especiais e uma grande bagunça.

Disponível em DVD e Blu-ray pela Universal/Paramount, a fita atira para todos os lados e tem dois grandes nomes no elenco (Jeff Bridges e Julianne Moore). Pode agradar aos fãs das aventuras medievais e histórias de bruxas, sempre apelando para um grande número de cenas de ação e afeitos visuais.