À Beira do Caminho (2012)

POSTER_A_BEIRA_DO_CAMINHO_
À Beira do Caminho (FOTO: Conspiração Filmes/divulgação)

À Beira do Caminho (Idem, 2012) de Breno Silveira

O filme: a trama nos mostra os caminhos cruzados de João, um caminhoneiro calado e brutalizado pelo passado escuso, e Duda, que após a morte da mãe fugiu do orfanato e busca chegar a São Paulo para conhecer o pai. 

Porque assistir: os dramas pessoais da dupla são bem explorados, como uma relação necessária. Eles não sabem, um drama é, naturalmente, apoiado no outro.

De peso dramático crescente, a trama avança com a função de tentar consertar os erros do passado. Numa paisagem bruta, como a história, mas que aos poucos vai amaciando, exatamente como a transposição sentimental do longa.

Há também o acerto da trilha incidental, claro, com as preciosas incursões das músicas de Roberto Carlos (A Distância, Esqueça, Amigo, Outra Vez e O Portão), que fazem parte da própria história. A edição equilibra bem os flashbacks doídos e sua realidade refletida.

Além do roteiro e condução sensível de Breno Silveira, as divisões dos atos do filme em frases de caminhão só abrilhantam a bela obra.

beira 2
À Beira do Caminho (FOTO: Conspiração Filmes/divulgação)

Melhores momentos: a grande força do seu resultado final é o esmero na atuação de João Miguel e o garoto Vinícius Nascimento, uma dupla afinada. Dira Paes também tem ótima participação, que impressiona ao adicionar uma delicadeza essencial à história.

Pontos fracos: algum sentimentalismo a respeito da paternidade de Duda.

Na prateleira da sua casa: uma comovente história inspirada tanto em músicas antigas de Roberto Carlos quanto em frases de para-choques de caminhões. O que poderia ser uma obra brega e meia, o diretor Breno Silveira a transformou em seu melhor trabalho.

Um drama que prova a capacidade do diretor em lidar com emoções sem cair na vala comum do sentimento de ‘oh, chore por minha triste história’. O resultado é um ‘Road Movie’ sobre uma amizade acidental entre seres abandonados pela vida, capaz de provocar um choro legitimamente emocionado.

Termo vetor - segunda versão - DEITADA - 9